Gestão de Marca Pessoal. Para quem? Para quê?

Você tem ideia do que as pessoas dizem de você e como é conhecido nos meios em que circula? Você conhece o impacto que suas ações causam naqueles com quem convive?



Nossas atitudes, o que falamos, o que fazemos deixam marca nas outras pessoas e essas impressões formam a nossa Marca Pessoal, aquilo que dirão a nosso respeito quando não estivermos presentes!

Tudo bem que você diga que não se importa com o que os outros pensem. Mas eu lhe convido a uma reflexão. A vida é feita pelas interações com os outros e as tais das oportunidades que queremos agarrar, vêm das outras pessoas! São as pessoas que nos abrem portas! Sejam portas sociais, sejam amizades, sejam profissionais, negócios ou uma tão sonhada posição numa empresa qualquer.

E agora eu lhe pergunto: você já pensou na importância de administrar estrategicamente a sua Marca Pessoal?

Nesse mundo cheio de opções para tudo, do detergente à camisa nova ou o profissional que você precisa contratar, como decidir o que é melhor para nós? Isso vale também para pessoas: o que fazer para que sejamos escolhidos diante da concorrência, seja para um trabalho ou para prestar um serviço?

Marca pessoal foi o termo cunhado por Tom Peters em um artigo chamado “The Brand Called You”, na revista Fast Company, há 20 anos. Ele afirmou que devemos ser nossa própria marca, e gerenciá-la como se fosse a marca de um produto, para que possamos atingir nossos objetivos. Quando não o fazemos de maneira eficiente, geralmente não somos reconhecidos e acabamos em insatisfações e frustrações profissionais.

A maioria de nós, brasileiros, não tem a cultura do planejamento. Vamos aproveitando as oportunidades que aparecem e nossa carreira vai ao sabor do vento. Só que esse comportamento já não funciona tão bem quanto no passado, devido a explosão das redes sociais.

Hoje, quando queremos um novo emprego ou alguma parceria de negócio, competimos com muitos currículos e propostas que chegam de todos os lados e por todos os meios. Aumentou o número de pessoas qualificadas ou diminuiu o número de posições disponíveis? Um pouco, mas a principal razão é que todos estamos muito mais visíveis.

Podemos dizer então que a Gestão de Marca Pessoal é para todos que queiram descobrir seus diferenciais e fazê-los conhecidos, deixando marca da maneira mais satisfatória. É para aqueles que querem ter mais controle sobre sua vida e carreira, abrindo caminhos para que alcancem o que desejam para si.

Cada um de nós, com seu próprio jeito de ser, de lidar com as situações, de resolver problemas é um ser especial. E embora pareça cada vez mais difícil nos destacar, se cuidarmos do nosso desenvolvimento como marca, de maneira genuína e responsável, começaremos a ver resultados. O princípio é conhecer-nos profundamente, entender o que nos move, o que nos motiva a dar o nosso melhor e revelar o pacote de atributos que permite diferenciar-nos nos ambientes em que vivemos, sejam sociais ou profissionais.

Esse tal de autoconhecimento

Colocar em prática o olhar para dentro ainda é difícil para muitos, mas vamos lá…

Quais são seus pontos fortes? O que você faz muito bem? O que você ama fazer que nem vê o tempo passar? Geralmente somos inibidos em revelar aquilo em que somos realmente muito bons, mas perca a vergonha e assuma o seu melhor!

Depois passe à parte mais dolorida. O que é que você não faz tão bem, que lhe custa horas, ou você procrastina sempre? Isso é importante para aquilo que você deseja alcançar? Se não é, pode esquecer. Se é, como você pode melhorar, o que você precisa investir para se aperfeiçoar?



Ainda que o talento nato possa nos fazer chegar a altos níveis de performance com menos empenho, o esforço no aprendizado e a prática constante, costumam ser muito eficazes para nos levar a um nível de excelência naquilo que queremos. Experimente!

A estratégia

Com o trabalho de autoconhecimento, você se coloca no ponto A, sua situação atual, e começa a traçar seus planos para chegar aonde quer, o ponto B, no prazo em que você determinar.

Comece por colocar aí os investimentos de tempo e dinheiro para aperfeiçoar o que você acredita que precisa. Depois defina as ações necessárias para avançar na direção do que almeja. Faça um planejamento anual, desmembre em semanas até chegar à sua lista diária de tarefas e ponha-se a executá-las.

Identifique os benefícios que você pode oferecer, que problemas você resolve como ninguém, como o seu serviço o diferencia para quem interessa, e construa a sua proposta de valor. Com isso em mãos, pense em como comunicar esse valor, a quem quer que seja o seu público, de forma simples e direta.

Criando visibilidade

Por fim, estude a melhor forma de transmitir suas competências, suas habilidades, ao mercado onde deseja atuar, mostrando o melhor que você tem a oferecer a empresas, parceiros, clientes. Perceba que neste mundo em que vivemos hoje, quem não é visto, dificilmente será lembrado!

Se você transita bem nos meios digitais, avalie como se relaciona, se as redes que frequenta servem ao seu propósito, como a sua presença digital pode favorecer as suas metas. Networking é troca. Como já se tornou mais um dito, seja interessante e não interesseiro: troque, compartilhe, distribua conhecimento.

Se for possível, leve alguns dos seus contatos para a vida offline. Faça o mesmo com aqueles que você conhece pessoalmente. Busque ter pelo menos um contato cara a cara por semana. Ofereça ajuda, peça ajuda!

Se não podemos garantir o que vão sentir ou pensar sobre nós, pelo menos podemos trabalhar conscientemente nossa marca pessoal para que a impressão que deixamos seja a mais próxima do que queremos. E ao final, sejamos reconhecidos, lembrados e escolhidos pelo que temos de melhor!

E você, como está cuidando da sua Marca Pessoal?




Pingado Semanal

Cadastre-se e receba semanalmente o melhor conteúdo sobre negócios do Brasil.

[yikes-mailchimp form=”1″]