“Vini, vou viajar daqui há ‘tanto’ tempo, você acha que é melhor comprar dólar agora ou segurar? ”

Já perdi a conta de quantos áudios recebi com essa pergunta, de amigos e clientes. Especialmente em momentos como o de hoje, em que o dólar simplesmente não para de subir.

A verdade é que, para responder isso com 100% de precisão, só tendo uma bola de cristal. Mas existem, sim, algumas dicas que podem ajudar quem está nesse dilema. Nesse artigo, vou te explicar porque o dólar sobe ou desce e dar algumas dicas para você se precaver quando estiver planejando uma viagem.



Como sempre, gosto de começar pelo começo: por que o dólar sobe ou desce? Existem diversos fatores para a variação cambial, mas, basicamente, ela se dá pela lei da oferta e da demanda: quando entram dólares no Brasil, seu valor cai e, quando eles saem, seu valor sobe.

A parte complexa é justamente o que faz os dólares entrarem ou saírem do país: isso está relacionado às taxas de juros, no Brasil e nos EUA, à balança comercial, à percepção de risco que se tem do Brasil e até mesmo aos gastos turísticos dos gringos e dos brasileiros mundo afora. Existem também eventos macroeconômicos que impactam o câmbio de diversos países de uma vez só, o que pode incluir o Brasil.

Olhando todos esses fatores, os economistas e analistas vão buscar suas previsões, que, por melhor fundamentadas que sejam, serão apenas previsões.

Mas para você que vai viajar, como saber o melhor momento de comprar dólar? Aqui vão algumas dicas, que também se aplicam se sua viagem é para a Europa:

Compre de maneira fracionada

A compra fracionada é recomendada por muitos professores de economia doméstica, por mitigar os riscos de uma forte alta do dólar. O raciocínio é simples: se faltam 3 meses para viajar e pretendo comprar 4,5k dólares, a ideia é comprar 1,5k dólares por mês.

A ideia é boa e pode, sim, valer a pena, mas faço algumas ressalvas: se você compra tudo de uma vez e se trata de um valor mais “gordo”, você aumenta as chances que uma casa de câmbio aceite vender dólares para você a um valor menor (já vou falar mais sobre isso).

A outra questão é que muitas casas de câmbio terão uma taxa de entrega ou você terá que se deslocar para ir buscar o valor. Esse deslocamento ou a taxa também devem ser colocados na ponta do lápis na hora de fazer as contas.

Mas sim, a ideia é boa! Você pode experimentar dividir em duas ou três etapas, de acordo com o valor que você vai comprar e o quanto se gasta de taxa/deslocamento em cada compra.

Use sites de comparação

Hoje, a internet nos permite comparar hotéis, investimentos e também corretoras de câmbio. Em sites como o www.melhorcambio.com.br, você consegue fazer uma “oferta”, uma proposta de comprar um certo valor de dólares por uma certa cotação e o próprio site indica a probabilidade que sua oferta seja aceita.

Sendo aceita, a corretora entra em contato com você e faz a operacionalização da venda.

Use fundos cambiais

Os fundos cambiais são fundos de investimento que tem por estratégia comprar e vender moedas. Existem fundos que acompanham – quase que exatamente – o valor do dólar. Mesmo com a taxa de administração, um bom fundo sempre sobe um pouco mais que o dólar e cai um pouco menos. Retirando o imposto de renda, é como se ficássemos exatamente acompanhando o dólar.



Logo, o raciocínio é simples: se já tenho meus R$ 10.000,00 com o qual vou viajar, posso aplicar em fundo cambial e se o dólar cair ou diminuir, não vai fazer diferença para mim, porque se ele dispara, meu dinheiro rende. Se ele cai, eu perco dinheiro no fundo, mas o dólar ficou mais barato para eu comprar.

O Votorantim FIC de FI Cambial Dólar, fundo disponível na XP Investimentos, permite aplicações a partir de R$ 1.000,00 e você consegue ter o dinheiro disponível no dia seguinte ao pedido de retirada.

Pela simplicidade e segurança, acho uma excelente dica.

Acompanhe a tendência

Por mais difícil que seja a previsão do valor futuro do dólar, existem muitos analistas com anos de experiência para nos dar um indicativo. Sempre colete, pelo menos, umas 3 opiniões, com pessoas que trabalham no mercado ou buscando em sites e jornais.

Nesse último ponto, também vale se atentar para como o dólar se comportou nas últimas semanas. No mercado, a subida e a descida – quase – nunca são para sempre.

Nas últimas semanas, por exemplo, o dólar teve uma alta totalmente fora da curva. Pode ser, sim, que ele suba ainda mais, mas, probabilisticamente, maiores são as chances dele recuar.

Como tudo na vida, vale sempre a pesquisa e a informação!



Author: Vinicius Vilaça

Sou sócio e assessor de investimentos na Arcani Investimentos, um escritório de assessoria com mais de R$ 200 milhões sob custódia, credenciado à XP Investimentos. Na parte acadêmica, sou advogado, bacharel em Direito pela UERJ, graduando em Psicologia pelo IBMR e concluinte do MBA em Gestão de Negócios pela Universidade Cândido Mendes. Descobri minha missão de ajudar as pessoas quando me formei em Coaching Pessoal e Profissional pela Faculdade Mackenzie Rio, em convênio com a Smart Coaching, e comecei a atuar também como coach e palestrante. Hoje, auxilio meus clientes a viverem com mais inteligência financeira, investindo melhor e com mais planejamento.